Loggi perdeu! Sentença do MPT em Ação Civil Pública Cível contra à empresa reconhece vínculo trabalhista e outros direitos trabalhistas dos motoboys

Isso abre jurisprudência para outras empresas que atuam com aplicativos no motofrete também contratarem trabalhadores em regime de CLT e não MEI, obedecendo assim, a legislação trabalhista brasileira, bem como as leis do motofrete 12.009, 12.997 e 12.436 (federais) e 14.491 (municipal – SP).

Na sentença da Ação Civil Pública 1001058-88.2018.5.02.0008 do Ministério Público do Trabalho (MPT), a Loggi foi condenada a:

– Registrar todos os motoboys que constam em sua plataforma.

– Não contratar mais trabalhadores motociclistas como autônomos.

– Observar legislação federal, estadual e municipal dos motofretistas.

– Não oferecer mais prêmios por produção ou entregas.

– Pagar periculosidade.

– Contratar apólice de seguro para motoboys conforme exigência da Lei Municipal 14.491 (SP).

– Considerar jornada de trabalho da entrada à saída no sistema feito pelo motociclista profissional.

– Conceder períodos de descanso diário e semanal.

– Disponibilizar locais de espera com banheiro e água potável.

– Fornecer EPIs para os trabalhadores.

Nosso departamento jurídico está providenciando informações mais detalhadas, assim como publicaremos mais sobre o assunto a qualquer momento.

Leia sentença completa no Blog do Gil acessando AQUI.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*